FIES: Lei possibilita suspensão de até quatro parcelas

Cotações e Índices

Moedas - 14/08/2020 12:15:01
  • Nome
  • Compra
  • Venda
  • Comercial
  • 5,388
  • 5,390
  • Paralelo
  • 5,050
  • 5,610
  • Turismo
  • 5,360
  • 5,690
  • Euro
  • 6,374
  • 6,378
  • Iene
  • 0,051
  • 0,051
  • Franco
  • 5,925
  • 5,931
  • Libra
  • 7,061
  • 7,063
  • Ouro
  • 338,710
  •  
Mensal - 05/08/2020
  • Índices
  • Mai/20
  • Abr/20
  • Inpc/Ibge
  • -0,25
  • -0,23
  • Ipc/Fipe
  • -0,24
  • -0,30
  • Ipc/Fgv
  • -0,54
  • -0,18
  • Igp-m/Fgv
  • 0,28
  • 0,80
  • Igp-di/Fgv
  • 1,07
  • 0,05
  • Selic
  • 0,24
  • 0,28
  • Poupança
  • 0,05
  • 0,05
  • TJLP
  • 4,94
  • 4,94
  • TR
  • -
  • -

Obrigações Tributárias do Dia

  • 14/Agosto/2020 – 6ª feira.
  • ICMS/REDF | Registro Eletrônico de Documento Fiscal (REDF).
O que você achou do nosso novo site?
Ótimo
Bom
Regular

Estudantes de todo o país que são beneficiários do Fundo de Financiamento ao Estudante do Ensino Superior (Fies) podem requerer a suspensão de até quatro parcelas durante o período de calamidade pública decretado por conta da pandemia do novo coronavírus.

Para ter acesso ao benefício – definido pela Lei 13.998/2020 – o estudante deve estar adimplente com os seus pagamentos até o dia 20 de março, antes da vigência do estado de calamidade pública no país.

Os interessados em aderir ao programa – válido para contratos em fase de utilização e carência, ou para aqueles que estão na fase de amortização – devem procurar a Caixa Econômica Federal ou o Banco do Brasil até o dia 31 de dezembro.

O advogado, economista e professor, Alessandro Azzoni, acredita que a suspensão não é suficiente para evitar a evasão dos alunos nas universidades, ocasionada pela crise e pelo desemprego.

Para ele, uma medida complementar seria a criação de uma linha de crédito especial, para que os alunos possam manter sua qualificação.

Estamos em um cenário de crise. Muitas pessoas com qualificação elevada foram demitidas, e quem ainda está estudando vai encontrar uma concorrência muito grande. Parar de estudar nesse momento não é o ideal, por isso o governo poderia pensar em alguma forma para subsidiar os estudos para quem está fora do FIES, uma linha de crédito com pagamento direto para as universidades, para evitar a evasão e manter o aluno estudando“, aponta.   

Azzoni reforça que uma evasão significativa de alunos causaria um impacto econômico grande nas universidades.

“Problemas como inadimplência e evasão levam a uma consequente perda de receita nas universidades, podendo ocasionar demissões em massa de professores, mestres, doutores e uma redução de atividades em alguns setores”, aponta o professor. 

Por Alessandro Azzoni é advogado e economista, especialista em direito ambiental, com atuação nas áreas do Civil, Trabalhista e Tributário.

Fonte: Jornal Contabil | 28/07/2020

Site desenvolvido pela TBrWeb (XHTML / CSS)
Organização Contábil Padova  |  Rua Major Aguiar 65, Centro - Volta Redonda RJ  |  Fone 24. 3342-2177